O que fazer em Budapeste, a famosa Paris do Leste!

A capital da Hungria, Budapeste foi formada após a unificação, em 1873, de Buda, a cidade alta à margem esquerda do Rio Danúbio, e Peste, na margem direita. Ela chegou a ser a segunda cidade mais importante do Império Austro-Húngaro, atrás de Viena. Apesar da separação, a divisão ainda é feita na hora de se localizar. Buda no alto é cheia de casarões residenciais, já Peste é mais plana e movimentada.

Bastante conhecida por suas construções em Art Nouveau (estilo moderno e de vanguarda do final do século XIX), opções do que fazer em Budapeste não faltam.

roteiro Budapeste

Informações Úteis

Documentação: Brasileiros não precisam de visto para viagens de turismo de até 90 dias, no entanto, é necessário ter passaporte válido. A contratação de Seguro Viagem Internacional também é obrigatório.

Compare as melhores opção e contrate com desconto!

Idioma: Húngaro

Moeda: Florim húngaro (HUF). Atualmente R$1 equivale a HUF 57,38. O mais indicado é trocar real por euro ou dólar ainda no Brasil e, já na Hungria, trocar por florins.

Fuso horário: (GMT+2, 4h a mais que o Brasil

Tomada: tipo C, com dois pinos redondos com 220 de voltagem.

Melhor época para visitar Budapeste

A capital húngara é caracterizada por invernos muito frios e chuvosos, com neve de novembro a fevereiro. A temperatura média em janeiro e fevereiro é inferior a 0ºC com máximas de  2 e 5ºC. Já o verão, é bem quente, em julho e agosto a média varia entre 25 a 28ºC, além disso também comum chover no verão.

Assim, a melhor época para conhecer a cidade é na primavera e no outono, sendo que os melhores meses são maio e setembro

O que fazer em Budapeste

Parlamento de Budapeste

Ícone da cidade, o Parlamento de Budapeste, do lado de Peste, foi construído entre 1884 e 1902, sendo o terceiro maior do mundo. Além de admirar sua seu exterior em estilo neogótico, você também pode conhecer suas dependências como a Sala da Cúpula, com estátuas de diversos reis do país, e a Antiga Câmara Alta durante visita guiada.

Castelo de Buda

Imponente exemplo de arquitetura art nouveau, o Castelo de Buda, antiga residência real, ainda oferece uma das melhores vistas da cidade, localizado à margem esquerda do Danúbio. Além disso, é nele que está a Biblioteca Széchenyi, a Galeria Nacional Húngara (com obras de arte húngara desde a Idade Média até o século XX) e o Museu de História de Budapeste. A entrada na Galeria custa HUF 3200, já no Museu, HUF 3200.

Igreja de Matias

Importante igreja católica de Budapeste, a Igreja de Matias, em frente ao Bastião dos Pescadores, foi originalmente construída em estilo românico entre os séculos XIII e XV. No entanto, sofreu uma importante reforma no século XIX, que lhe deu características góticas. É a sétima maior igreja do reino húngaro medieval. A entrada custa HUF 1800.

Bastião dos Pescadores

O que fazer em Budapeste

É um fortaleza neogótica  projetada e construída entre 1895 e 1902, localizada na Colina de Buda, bem próxima ao Castelo. Ela possui sete torres que homenageiam as tribos fundadoras da Hungria. Vale a pena visitar para se ter uma belíssima vista da cidade.

Praça dos Heróis

Construída para lembrar os sete chefes das tribos fundadoras do país, reis e nobres, a Praça dos Heróis é a principal da cidade e faz parte do conjunto de monumentos declarados como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Ela está localizada ao final da Avenida Andrássy e é rodeada por diversos pontos turísticos da cidade, como Museu de Belas Artes e o Palácio da Arte.

Aproveite que está na região e passeio também pelo Parque Városliget.

Balneário Gellert

É um balneário dentro do Hotel Gellert, mas com entrada própria. Ele foi construído em 1918 e é até hoje um dos banhos termais mais prestigiados da Europa. O local, cuja sala principal foi construída em Art Nouveau, conta com piscinas termais e de olímpicas, banhos turcos, saunas, jacuzzi, salas de massagens e tratamentos de beleza. A entrada custa  entre HUF 5000 e HUF 7000 .

Palácio Gresham

Exemplo de arquitetura Art Nouveau (estética moderna e de vanguarda), esse Palácio foi construído no início da década de 1900. Atualmente pertence a rede Hotel Four Seasons, mas você pode entrar e pedir para conhecer a recepção.

Basílica de São Estevão

Maior templo religioso da Hungria, a Basílica de São Estevão levou meio século para ser finalizada em 1905. Seu nome homenageia o primeiro rei húngaro, Estevão I (975-1038), cuja mão direita está no interior da basílica. Na entrada é pedido uma doação, obrigatória, de 1 euro, mas já ouvi dizer que em breve esse valor irá ser reajustado. Para subir na torre direita, que oferece vista panorâmica da Hungria, custa HUF 1000.

Opera Estatal Húngara (Magyar Állami Operaház)

Construída entre 1875 e 1884, a essa Ópera em estilo neo-renascentista foi encomendada pelo Imperador Austriaco Francisco José I. Você pode conhecê-la durante visita guiada (HUF 2500), realizada em diversos idiomas, ou assistir uma apresentação de ópera ou ballet, que ocorre quase todos os dias (a partir de HUF 300).

Centro Memorial do Holocausto de Budapeste

É um museu que, através da exposição “Da Privação dos Direitos ao Genocídio” conta a história dos judeus na Hungria desde 1938, quando o estado começou a limitar os direitos desses povos, até à década de 1940, quando meio milhão de judeus foram assassinados pelos nazistas após a Segunda Guerra Mundial, que destruiu quase 70% da cidade. A entrada custa HUF 1400.

o que fazer em Budapeste -

Veja também a homenagem do cineasta Can Togay – Shoes on the Danube Bank – aos judeus, adultos e crianças, que foram atirados ao rio na Segunda Guerra Mundial. Este impactante memorial fica pertinho do parlamento.

Passeio pelo Danúbio

Uma outra forma para conhecer Budapeste é fazendo um passeio de barco pelo Rio Danúbio, que até o século XIX era uma fronteira natural entre Buda e Peste. Os passeios em torno de 60 minutos com preços variados. Muitas vezes feito durante o dia, super indico fazer o passeio noturno para ver o Castelo de Buda e o Parlamento, por exemplo, iluminados.

Também pode te interessar:

  • Sinagoga Dohány – a segunda maior do mundo, superada apenas pela de Jerusalém. Não entrei mas na minha próxima visita não escapa.
  • Szimpla Kert – o “bar em ruínas” mais famoso da cidade. E a fama é merecida, eu adorei!
  • Termas Széchenyi – construídas em 1913, está em um edifício lindo. além disso é um dos maiores complexos de águas termais da Europa.
  • Nagyvásárcsarnok – o mercado Central é um excelente lugar para comprar souvenirs.

Para provar em Budapeste

 A culinária húngara é rica em especiarias e sabores picantes. Dessa forma, não deixe de experimentar a Paprikás csirke, frango ao molho cremoso de páprica, servido com galuska, uma massa feita de ovo, farinha e sal. Outro prato com páprica é o goulash húngaro, um ensopado de carne bem característico do país. Na hora da sobremesa, experimente o Pogácsa, um bolinho de diferentes sabores gratinado com queijo, e o Somlói Galuska, bolinho de chocolate com rum e baunilha, coberto com chantilly.

Mas os meus favoritos foram o Lángos, uma massa frita coberta com queijo ralado e sour cream. Também é possível encontrar vários de outros sabores mas eu optei em provar o tradicional e adorei. E de doce eu amei o Kürtöskalács, outro clássico húngaro que você precisa provar. Trata-se de uma massa assada em um cilindro e varia entre os sabores de canela, baunilha, cacau, chocolate, avelãs e amêndoas. Eu provei o canela com açúcar e gostei muito. Lembra um Pretzel, mas melhor!

Onde se hospedar em Budapeste

A cidade é dividida em 23 distritos, numerados em algarismos romanos. Separei alguns como sugestão!

Booking.com

Budavár

Do lado de Buda, Budavár no distrito I engloba os arredores do Castelo, a Igreja de Matias e o Bastião dos Pescadores. Por estar bem na parte mais nobre e turística da cidade, é, portanto, a mais cara.

Belváros e Lipótváros

Localizados no distrito V, no lado de Peste, Belváros compreende o Centro Histórico da cidade e conta com diversas lojas e restaurantes. Enquanto Lipótvários foi criado, no começo do século XX, para ser o  centro político da nova Capital. Dessa forma, concentra vários prédios institucionais e hotéis mais luxuosos.

O lado positivo de se hospedar nesses bairros é poder conhecer vários lugares à pé e com fácil acesso ao transporte público. Contudo é uma área bem turística.

Terézváros

Do lado de Peste, no distrito VI, Terézváros é um bairro mais residencial e onde fica a Avenida Andrássy, Patrimônio Mundial da Unesco. A região tem bons restaurantes e atrações culturais, além de ficar próximo da linha M1 do metrô.

Ferencváros

Localizado no distrito IX, este bairro residencial é mais jovem, por estar próximo à universidades, além de contar com boas opçoes de bares e restaurantes. É uma ótima opção para quem que ficar em um lugar mais tranquilo, mas economizar.

Qual a melhor forma de conhecer Budapeste

o que fazer em Budapeste

Para quem se hospeda do lado de Peste, pode conhecer bastante pontos turísticos a pé ou de transporte público. No entanto, caso prefira se locomover com conforto, os táxis podem ser facilmente solicitados na rua (fazendo sinal) nos em pontos. Nos veículos licenciados (placa amarela) a bandeirada custa HUF 450 e o preço por quilômetro HUF 280. O Uber é proibido na cidade, mas táxis podem ser solicitados pelo aplicativo Taxify.

Outra forma de se locomover em Budapeste é com patinetes e bicicletas compartilhadas. A cidade tem 300km de pistas e os 30 primeiros minutos de utilização são gratuitos, confira no site da Mol Bubi.

Transporte público

O transporte público em Budapeste é bom e eficiente. Além disso cobre praticamente toda a cidade. O mesmo bilhete serve para metrô, bonde, ônibus, trólebus e tram (bondinho) e são vendidos não só nas estações de metrô, como também em alguns pontos de ônibus. Você pode comprar para uma jornada (HUF 350), 24h (HUF 1650), 72h (HUF 4150), semanal (HUF 4950) ou mensal (HUF 9500).

O metrô, o segundo mais antigo do mundo, possui quatro linhas e funciona das 4h30 às 23h. Os bondes e os ônibus também funcionam no mesmo horário do metrô. O trólebus, que funciona desde 1949, serve a periferia de Budapeste. Por sua vez, o sistema de Tram, que operam desde 1866 no país e é considerado o maior do mundo, possui 33 linhas e mais de 600 pontos de parada.

Dica extra:  Budapest Card

Uma dica para quem quer conhecer o máximo de atrações na cidade é adquirir o Budapest Card, que inclui entrada gratuita em diversas atrações e descontos de até 50% em outras. Além disso, ainda dá direito de usar o transporte público (metrô, bondes, ônibus e balsas ilimitadamente pelo tempo do cartão, que pode ser de 24h, 48h, 72h, 96h e 120h e você pode comprar aqui.

Trem

Para quem pretende viajar para outras cidades os trens HEV, que também atendem a periferia, são uma boa pedida. Além disso, Budapeste conta com diversos trens para outros países europeus, como para Viena na Áustria, cuja passagem custa em média € 30. Planeje aqui sua viagem de trem.

Leia mais sobre viagem de trem pela Europa.

Vale a pena alugar carro?

Como o sistema de transporte público em Budapeste é bom, assim como os trens regionais, só vale a pena alugar um carro caso você pretende conhecer algumas cidades vizinhas ou outros países europeus. Uma dica importante: atenção aos horários dos estacionamentos públicos, eu recebi duas multas de estacionamento na Hungria.

A capital húngara fica a 200 km de Bratislava (Eslováquia), 243 km de Viena (Áustria), 345 km de Zagreb (Croácia) e a 525 km de Praga (República Tcheca).

Para alugar um carro na Hungria o condutor deve ter no mínimo 21 anos e estar habilitado há pelos menos um ano. No entanto, condutores com menos de 25 anos estão sujeitos ao pagamento de uma taxa adicional.

Bate e volta saindo de Budapeste

Esztergom (49,1 km): é uma cidade medieval localizada ao norte do país, às margens do rio Danúbio. Não deixe de visitar a Basílica da cidade, construída sobre as ruínas de uma fortaleza romana.

Gödöllő (33,2 km): também na zona metropolitana, cujo ponto principal é o palácio que leva o nome da cidade. Construído no século XVIII, em estilo barroco, para a família Grassalkovich, serviu como casa de verão para os Habsburgos. Dessa forma, ficou conhecido também como Palácio de Sissi, em homenagem a imperatriz da Áustria e rainha da Hungria.

Szentendre (22,6 km): a cidade faz parte da região metropolitana de Budapeste e é cheia de galerias de arte, museus e casas coloridas. Vale a pena visitar a  igreja ortodoxa Blagovesztenszka (Nossa Senhora da Anunciação), considerada uma das mais bonitas do país.

o que fazer em Budapeste : Szentendre

Pedágio e taxas

O sistema de cobrança de pedágio na Hungria é diferente, não há postos ou cabines, mas todos os veículos são cadastrados em um sistema de trânsito que faz a verificação pela placa do veículo. Então assim que cruzar a fronteira do país pare no primeiro posto de combustível para comprar o vignette. As vezes tem pontos de compra logo na fronteira ou então você pode comprar online. Os vignettes podem ser de dez dias, seis meses ou anual. É importante ressaltar a multa para quem circular pelas estrada de lá sem o vignette é de €150.

Aproveite sua viagem à Budapeste para conhecer também Viena e Bratislava, a pérola do leste europeu.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *