Férias na Itália – tudo que você precisa saber!

Passar férias na Itália faz parte da lista dos sonhos de muita gente e seria estranho se um país tão incrível não chamasse tanta atenção.

A Itália encanta de norte a sul, seja por sua gastronomia maravilhosa, seus belos monumentos, sua história riquíssima, suas cidades charmosas ou praias paradisíacas… Existem muitos motivos para se apaixonar pela Itália e basta pisar no país para isso acontecer!

Neste post eu separei as principais dicas que você precisa saber antes de planejar suas férias na Itália. E preciso dizer que estou escrevendo esse texto de Pompéia, já faz um mês que chegamos por aqui. Passamos pela Puglia e Calábria. E depois daqui subiremos até Verona. Em outra oportunidade, quando vim tirar minha cidadania italiana, eu passeie muito pela Toscana e Roma. Então, tudo que compartilhar aqui com você, são dicas que realmente irão te ajudar a curtir mais o país da pizza!

Tudo que você precisa saber para suas férias na Itália

Dicas fundamentais para as suas férias na Itália!

1 – Documentação

Para passar férias na Itália os brasileiros não precisam de visto de turismo, basta apresentar passaporte válido por no mínimo seis meses após o término da viagem, seguro viagem com cobertura de 30 mil para custos médicos e passagem de regresso ou saída do Espaço Schengen. Além tenha em mãos a sua reserva da hospedagem – caso fique na casa de um amigo precisa ter a carta convite do anfitrião – e comprovantes de que possui renda para bancar a viagem (dinheiro em espécie ou cartões de crédito).

Outro documento que é obrigatório, caso você pense em dirigir na Itália, é a carteira de motorista internacional ou a sua CNH do Brasil com tradução juramentada.

2 – Quando viajar para a Itália?

As estações do ano são bem definidas na terra do Papa, a intensidade das temperaturas varia um pouco conforme altitude e distância do mar. Mas, de forma geral, o inverno é frio, de nevar em muitas partes do país. E o calor do verão beira o exagero.

Na minha humilde opinião, o melhor período de passar férias na Itália é a primavera, de abril a junho, as temperaturas estão amenas, os dias já estão cada vez mais longos e fica muito gostoso para passear pelas cidades e até mesmo curtir uma praia (final de junho já está perfeito para isso). Também gosto muito de viajar no outono, mas é a estação das chuvas, então já sabe né…

“Aaah, mas eu quero muito ir no verão” ou então “Aaah, mas eu só posso tirar férias em agosto”. Tudo bem, vai ser incrível sem dúvida! Só esteja preparado para gastar mais dinheiro e paciência, pois o verão é a alta temporada, são as férias escolares e as cidades ficam bem movimentadas. Eu, sempre que posso, evito. Porém, é claro que as vezes queremos algo específico de uma estação, como por exemplo visitar os campos de girassóis na Toscana, que só pode ser no verão.

Uma coisa eu te digo, seja quando for, você vai amar a Itália!

3 – Qual a melhor forma de viajar entre as cidades italianas

Se tem uma coisa que gosto na Europa de forma geral é de como os trens funcionam por aqui. Adoro viajar de trem e acho muito prático. Quando você está viajando sozinho o trem costuma ser sempre a melhor opção em custo para se locomover. Em casal as vezes a conta pode variar, então sempre faça a conta do seu roteiro de quanto gastaria de trem e quando seria o mesmo trajeto de carro, não esquecendo os estacionamentos.

Para calcular rota, ver custo de gasolina e pedágios eu sempre uso o Via Michelin, ele é perfeito para isso. E para o custo de trem eu gosto da Omio, que inclusive faz a comparação dos preços e tempo de viagem entre aéreo, trem e ônibus.

Ainda nessa assunto, outras duas dicas muito importantes:

1 – Você precisa validar sua passagem antes de entrar no trem, em todas as estações tem mais de uma maquininha para isso. Basta colocar o bilhete na maquina e ela vai carimbar sua passagem. Também preciso te dizer que nem todos os trens na Itália são bonitos e modernos, tem alguns bem velhinhos ainda em ação. E caso você pegue um desses, fique atento à porta para saída. Uma vez perdi a estação, pois a porta que eu fui, simplesmente não abriu e eu não consegui chegar a tempo na porta seguinte.

2 – Se você optar em dirigir na Itália, não posso deixar de te alertar que os italianos são “velozes e furiosos” ao volante, rs. Você rapidamente vai perceber que eles não são pacientes e muito menos gostam de dar passagem. E, pela quantidade de carros batidos, arranhados e amassados que eu já vi por aqui, arrisco dizer que eles são um pouco barbeiros também. É claro que as ruas super estreitas de muitas cidades colaboram para isso, mas a dica aqui é: fique atento ao dirigir na Itália!

Ah! E fique atento ao estacionar. É muito fácil ser multado na Itália. Na rua procure vagas de linhas brancas, são grátis. Se não tiver nenhum vaga, pare nas linhas azuis e ache o parquímetro para pagar. As amarelas são apenas para residentes.

4 – Férias na Itália: sentou, pagou!

Não sei se você já ouviu falar do “coperto”, mas isso é bem importante para quem está planejando viajar pela a Itália. Acontece que por aqui é super comum que os preços sejam diferentes para o serviço no balcão e na mesa. As vezes será cobrada uma taxa ou então o produto fica mais caro caro quando servido na mesa ou as vezes o que você está comprando é barato demais para te dar o conforto de uma cadeira. Sendo assim:

  • Não estranhe pessoas comendo no meio fio ou nas escadas da cidade;
  • Sempre pergunte antes de sentar. E isso vale para todos os tipos e estilos de estabelecimentos.
  • Então, caso queira um lanche rápido, um sorvete ou apenas cafézinho, não sente!

ps: gorjetas não são obrigatórias, mas se achar que vale à pena o agrado, pela boa comida ou pelo bom serviço, o garçom ficará feliz em recebê-lo!

5 – Como organizar o meu roteiro de férias de Itália?

Acho que essa é a parte mais difícil pois, além de ter muita coisa interessante, a Itália não é um país pequeno. Então grandes trajetos significam menos tempo de curtir uma cidade. Sendo assim, eu acho que a melhor forma de curtir a Itália é estruturar seu roteiro por região. Ao todo são 20, alguns exemplos de região que você pode pesquisar:

  • Puglia – algumas cidade da região são Bari, Lecce, Polignano a Mare.
  • Sicília – Palermo e Catania são algumas das cidades da ilha.
  • Campania – região de Nápoles, Costa Amalfitana e Pompeia.
  • Toscana – onde ficam Florença, Pisa, Siena e outras muitas cidades lindas.
  • Veneto – aqui estão Veneza e Verona, por exemplo.
  • Emilia Romagna – região da cidade de Bologna, Ferrara, Parma, entre outras.

Pense com carinho quais experiências você deseja. Escolha regiões próximas, caso vá explorar mais de uma. Otimize seu tempo e aproveite ao máximo cada cantinho que passar!

6 – Faixa de pedestre não dizem muito na Itália

Enquanto em muitos países estamos habituados a colocar o pé na faixa de pedestre e os carro pararem, na Itália não é bem assim. Mais uma prova do “velozes e furiosos” que eu comentei lá no começo do texto. Então, atenção ao atravessar a rua, porque nem todos os motoristas param! Espere na calçada até o motorista parar para então atravessar em segurança.

7 – As férias na Itália não são completas sem pizza!

As férias na Itália não são completas sem pizza!

Você sabia que foram os italianos que inventaram a pizza? Essa deliciosa massa redonda com molho de tomate e coberta com queijo, surgiu em Nápoles, Itália, por volta do século 18.

Contudo, a pizza na Itália tem algumas diferenças das pizza que comemos no Brasil. O primeiro ponto é que a pizza é individual por aqui, então esteja com fome quando for comer, pois ela é quase tão grande quanto a nossa. Contudo, como a massa tende a ser fina e tem menos ingredientes no recheio, a pizza é mais leve. Sendo possível comer uma pizza sozinha, mangia che te fa bene!

Ah. E preço varia entre 5 a 12 euros. E caso você não aguente tudo não é um problema pedir para levar o resto! 😉

E se você, assim como o Rodrigo, gosta de pizza de pepperoni. Te conto que peperone aqui é pimentão. Então não cometa o nosso erro, peça por algo com salame piccante.

8 – A Itália não é um destino barato!

Pode ser um pouco surpreendente saber disso, afinal a Itália tem passado por muitas crises econômicas e está longe de ser uma das grande economias na Europa. Mas, em termos de turismo, os custos por aqui se assemelham a destinos como França, Holanda e Alemanha, por exemplo. Vale a pena saber:

  • O sul do país é mais barato do que o norte.
  • As atrações turística, que são muitas, não são baratas.

Boas notícias:

  • Sorvetes delicioso por todos os lados e com preço incrível: a bola varia entre 2 e 2,5 euros. E bola pode ter dois ou três sabores!
  • Existem muitas atrações com visitação grátis, por exemplos: No Coliseu, em Roma, o ingresso é livre no primeiro domingo de cada mês, assim como nos Museus do Vaticano, onde os ingressos são grátis no último domingo de cada mês, das 9h às 14h ( última admissão 12h30). Galerias Ufizzi e Accademia, em Florença, também tem entrada livre no primeiro domingo de cada mês, das 8h15 às 18h50. E assim vai, precisa ver a regra do dia ou horário no site de cada uma.

9 – Os italianos nem sempre falam inglês

Mesmo nas principais cidades você pode encontrar lugares onde os atendentes não falam inglês, caso você saiba espanhol eu acho que eles entendem bem. No geral eu acho os italianos muito simpáticos e vale a pena aprender uma palavras do idioma local para se virar melhor. Palavras como Buongiorno, Grazie, Per favore e Non Capisco já é um bom começo!

10 – Por último, quanto tempo ficar de férias na Itália?

Sem dúvida, o máximo que puder! O país tem muita coisa para ver e fazer, tente não passar corrido pelas cidades. Na hora de elaborar seu roteiro, tente focar na qualidade da visita e não na quantidade de cidades. Eu sei que as vezes é difícil, afinal não é sempre que podemos cruzar o Atlântico para vir passear na Itália. Isso também vale para as atrações, veja o que realmente faz sentido de entrar e conhecer. Escolhendo com sabedoria você vai economizar dinheiro e, principalmente, conseguir gerir seu tempo para sentir a cidade. Tomar seu gelato na escadaria da igreja, observando os italianos falando alto, as motos cruzando as ruelas estreitas, o vai e vem das pessoas na rua e os muitos turistas tirando selfies….

Visualizou?

Espero que sim. Assim como espero ter te ajudado com esse post de hoje!

Aos poucos vou contando todas as experiências que já vivi na bela Itália para te inspirar ainda mais e, caso você precise de ajuda com seu roteiro, conte comigo!

Gostou? Então compartilha 😉

Atrações em Amsterdam

Deixe uma resposta

error: Conteúdo protegido!